DOM ALANO

 


Dom Alano Marie Du Noday (1899-1985) nasceu em Grand Champ (Bretanha), norte da França, filho do conde Arthur Rolland Du Noday. Depois de concluir o curso de filosofia em Paris, ingressou na Cavalaria do exército francês em 1917. Dois anos depois, retorna à África no comando de uma expedição militar para debelar uma insurreição nativista no Marrocos, recebendo várias condecorações do governo francês. Ingressa na ordem dominicana do Tolouse, no ano de 1921, depois de profunda reflexão sobre a violência nos campos de guerra.

A leitura de relatos feita por expedicionários franceses nos sertões brasileiros despertou-lhe o desejo de trabalhar no Brasil. Permaneceu na cidade do Rio de Janeiro por mais de três anos, onde foi professor da Universidade Católica e assistente da Ação Católica.

A 25 de março de 1936 foi nomeado pelo papa para assumir o bispado de Porto Nacional, após a morte de Dom Domingos Carrèrot, primeiro titular daquela diocese. Na região do ex-Norte de Goiás, Dom Alano "foi um testemunho vivo do Evangelho", percorrendo em lombo de burro os sertões de Pedro Afonso, Piabanha (hoje Tocantínia), Piaus (Pium), Carmo, Palma (Paranã), Peixe, São José do Duro (Dianópolis) e Natividade.
Como marca de seu bispado, deixou nas almas sertanejas a educação religiosa e humanística. Para o padre Maya, "os homens e as senhoras de projeção na vida pública, política e social de hoje, beberam sua cultura, forjaram seu caráter e temperaram suas convicções nas escolas que os filhos de São Domingos organizaram: Escola Normal Santo Tomás de Aquino e Colégio Sagrado Coração de Jesus".

Volta